Por Eder Alves

Hoje em mais um dia de pesquisa para o meu trabalho de conclusão de curso me deparei com mais um dado chocante dentre os tantos que eu vi. Então resolvi dar uma pausa para relatar a crueldade do sistema capitalista, mas especificamente no Brasil, perante as mulheres.

Segundo o cientista político José Murilo de Carvalho, o salário mínimo na década de 70 sofreu tamanha desvalorização, que em 1974 era quase a metade do valor que valia em 1960.

A queda do salário desencadeou uma série de consequências sociais, de maneira que em 1980 10% dos mais ricos eram responsáveis por 50,9 % de toda a renda nacional, enquanto os 10% mais pobres possuiu apenas 2,8 %.

 

No entanto o que me chocou foi a entrada da mulher no mercado de trabalho, não de maneira espontânea ou porque o capitalismo aceitou a mulher pela sua capacidade intelectual.

A mulher brasileira da década de 70, essencialmente as mulheres de baixa renda, foram convocadas a entrar no mercado de trabalho ou seus filhos passariam fome.

O salário mínimo caiu de tal maneira que mesmo com a entrada das mulheres do mercado de trabalho a renda familiar continuar quase a mesma que em 1960. Portanto o salário de um trabalhador em 1960, pagava dois trabalhadores em 1974.

Bibliografia
CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: O longo caminho. 22 ed.-Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

* facebook.com/EderAlvesBrant