Formada em História pela Universidade Federal de Rondônia, Lara Oliveira Rocha é militante feminista e cidadã antenada com a contemporaneidade do Brasil e do Universo, observadora e crítica dos momentos que vivemos na política, na cultura, nas artes, nos movimentos sociais.

Eis sua posição sobre o movimento mundial de mulheres:

“Acho importante. Principalmente, o que estamos vivendo. Tempos difíceis esses. Mas, esse 8 de março tem que se transformar em 9, 10, 11… De marços, abris… Precisamos continuar o movimento… A luta todos os dias. Mas eu penso que a revolução não será de classe. Não será filosófica…. Ela sera de gênero. Isso tenho certeza. E por conta da complexidade essa revolução ainda irá demorar. A grande revolução será de gênero. Não pelas mulheres. Gênero. O feminino e o masculino. Em todas as suas nuances, suas complexidades, suas sexualidades. Mas, óbvio, eu acredito muito na capacidade das mulheres. Acredito em um movimento legítimo, e que a luta não é só nossa. Isso significa que juntas e juntos podemos mais.”